Prisão de ventre vinculado aos problemas de saúde do rim

Como afetam o comportamento e a personalidade da genética?
agosto 8, 2017
Como acabar com o ronco a Noite?
setembro 19, 2017

Um estudo recente demonstrou uma associação entre constipação e o desenvolvimento da doença renal crônica. A implicação clínica deste achado é que os profissionais devem ser conscientes de que estes pacientes que precisam ser tratados adequadamente.
Prisão de ventre vinculado aos problemas de saúde do rim

A prisão de ventre é uma das condições mais prevalentes em ambientes de atenção primária e pode causar inúmeros problemas relacionados com a saúde que podem ter um impacto prejudicial sobre a saúde. Já está bem documentado que a prisão de ventre, aumenta o risco de desenvolver doenças cardiovasculares e isso é mais provável, devido aos efeitos causados pelas bactérias no intestino.
Muito pouco Se sabe sobre os efeitos que a prisão de ventre pode ter sobre a saúde dos rins e, em particular, se existe uma associação com doença renal crônica (DRC). Portanto, os pesquisadores da universidade do Tennessee decidiu conduzir um estudo clínico para determinar se podem fazer qualquer descoberta relevante.
A relevância clínica deste achado é que os profissionais de saúde teriam que prestar especial atenção para as funções renais, os doentes que estão lutando com a prisão de ventre, se tal associação existe. Além disso, isso significaria que os médicos teriam que ser mais agressivos com o manejo da constipação, especialmente em pacientes com insuficiência renal.
O estudo
Os pesquisadores do Centro Médico de Memphis VAI e o Centro de Ciências da Saúde da Universidade de Tennessee, analisaram informações sobre mais de 3,5 milhões de veteranos norte-americanos com funções renais normais [taxa de filtração glomerular estimada (eGFR) ?60 ml / min], avaliados clinicamente em 2004 e 2006, e foram seguidos até 2013.
A média de idade entre os pacientes era de 60 anos de idade, onde mais de 93% eram homens e quase 25% foram diagnosticados com diabetes. A gravidade da constipação em pacientes determinou-se por códigos de diagnóstico que foram utilizados quando se examinaram e o uso de laxante. A classificação do constipation observou-se, então, como ausente, leve ou moderada / grave.
Os resultados
Os seguintes descobertas foram feitas quando se avaliou a informação do estudo:

Demonstrou-Se que os pacientes com constipação têm uma incidência aumentada de 13% de desenvolver DRC, um risco aumentado de 9% de desenvolver insuficiência renal e um declínio mais rápido da eGFR que aqueles sem prisão de ventre.
Os pacientes que foram diagnosticados com casos mais graves de prisão de ventre estavam associados com um risco cumulativamente aumentado de desenvolver insuficiência renal e doença renal crônica.
Significação clínica
Os resultados deste estudo sugerem a necessidade de que os médicos observem e monitorizarem cuidadosamente as funções renais em pacientes que são diagnosticados com prisão de ventre, especialmente aqueles com casos mais graves de prisão de ventre. Portanto, é muito importante que os profissionais de saúde não só são conscientes desses achados, mas que devem integrar os protocolos de gestão adequados em pacientes com constipação.
O manejo da constipação incluiria o seguinte:
Prescrever probióticos adequados para os pacientes.
Prescrever medicamentos amolecimento das fezes, onde indicado.
Modificações do estilo de vida, como fazer as alterações corretas na dieta do paciente (aumentar a ingestão de fibras e evitar produtos refinados), o que sugere começar com ou aumentar a atividade física e deixar o uso de cafeína e produtos de tabaco.
Educar o paciente quanto aos hábitos intestinais apropriados e sugerindo que devem esvaziar os intestinos quando seu corpo precisa fazê-lo. Em outras palavras, não atrasar ir ao banheiro, já que isso pode causar impactación de fezes.
Manipulação de qualquer causa subjacente de prisão de ventre, como a doença celíaca ou a doença de Hirschsprung.
Descrição geral da doença renal crônica
A doença renal crônica (DRC) é definida como a perda progressiva da função renal com o tempo. A função dos rins é filtrar os resíduos e o excesso de líquido do sangue que então excretado na urina através da bexiga. Quando as funções de um rim começam a diminuir, esses resíduos e o excesso de líquidos se acumulam no corpo e pode resultar em alguns problemas relacionados com a saúde.
Causas da DRC
Os sinais e sintomas da DRC podem levar um longo período de tempo para se desenvolver, já que essa condição progride lentamente. Além disso, dado que os rins compensam a função perdida, estes sinais e sintomas podem não se desenvolver até que se produza um dano irreversível. Os sinais e sintomas da ERC também são não específicos, já que podem ser causados por outras condições, portanto, os médicos devem estar conscientes disto.
Os sinais e sintomas incluem os seguintes:
Fadiga.
Enjoo.
Vômito.
Fraqueza generalizada.
Perda de apetite
Distúrbios do sono.
Diminuição da acuidade mental.
Cãibras musculares e contrações devidas a distúrbios eletrolíticos.
Hipertensão (pressão arterial alta) que é difícil de manter sob controle.
Inchaço dos pés e tornozelos.
Dor no peito e falta de ar devido ao acúmulo de líquido ao redor do coração e dos pulmões, respectivamente.
Coceira persistente.
Causas da DRC
Existem muitas condições que podem afetar e piorar a função renal durante muitos meses e anos e, portanto, resultam em ERC e incluem as seguintes questões:
Hipertensão arterial.
Diabetes tipo 1 ou tipo 2.
Doença poliquistica nos rins.
Glomerulonefritis, uma doença inflamatória crónica das unidades de filtração do rim, chamadas glomérulos.
Obstrução prolongada do trato urinário devido a condições tais como cálculos renais, hipertrofia da próstata e certos tipos de câncer.
Nefrite intersticial, uma condição inflamatória dos túbulos do rim e das estruturas adjacentes.
O refluxo vesicoureteral, que é uma condição que faz com que a urina flua para trás por função e para os rins.
Pielonefrite, que é uma infecção dos rins.
Complicações
A ERC pode afetar quase todas as partes do corpo e as complicações desta doença incluem o seguinte:
Anemia por diminuição da eritropoetina pelos rins.
Hiperpotasemia súbita (aumento dos níveis de potássio) que pode pôr a vida em perigo, já que pode afetar os impulsos elétricos do coração.
Retenção de líquidos, o que pode resultar em inchaço dos membros, hipertensão e edema pulmonar.
Dano ao sistema nervoso central, que pode causar convulsões, dificuldade de concentração e alterações de personalidade.
Doenças cardiovasculares, como a dor torácica, que é a inflamação do tecido que reveste o coração (pericárdio).
Diminuição da imunidade que torna um indivíduo mais susceptível a infecções.
Ossos fracos com um maior risco de fraturas ósseas.
Complicações da gravidez, que comportam riscos para a mãe e o feto.
Diminuição do desejo sexual, disfunção erétil ou diminuição da fertilidade.
Danos irreversíveis aos rins chamado de doença renal em estágio terminal.
Administração
A gestão da ERC implica em controlar as condições que levaram à diminuição da função renal do paciente. Se a ERC dá lugar a uma doença renal em estágio terminal, em seguida, o manejo desta condição seria iniciando com as vísceras ou hemodiálise ou fazendo com que o paciente receba um transplante de rim.