Bula Longacilin

Bula Calfolin
abril 29, 2017
Bula Reyataz
abril 29, 2017

Apresentação de Longacilin

fr. ampola c/: 300.000 UI, 600.000 UI. 1.200.000 UI

Indicações de Longacilin

No tratamento das infecções causadas por germes sensíveis à penicilinoterapia, como infecções estreptocócicas – grupo A – (trato respiratório superior e da pele); infecções venéreas (sífilis, bouba, bejel e pinta); profilaxia da glomerulonefrite aguda e febre reumática.

Contra-indicações de Longacilin

Em pacientes com hipersensibilidade às penicilinas.

Uso na gravidez de Longacilin

O Longacilin é excretado no leite materno. No entanto, não são conhecidos problemas significantes em humanos. Mulheres que estão amamentando somente devem ser tratadas com penicilinas sob orientação médica. Pediatria – Não existem relatos de problemas específicos causados pelo uso de Longacilin em crianças. A capacidade desses pacientes em metabolizar e eliminar fármacos, normalmente, está diminuída devido ao incompleto desenvolvimento da função renal nesta idade.

Interações medicamentosas de Longacilin

A probenecida, quando administrada conjuntamente, provoca aumento e prolongamento das concentrações séricas e prolongamento da meia-vida de eliminação da penicilina. – O cloranfenicol, as eritromicinas, as sulfamidas e as tetraciclinas, que são fármacos bacteriostáticos, podem interferir com os efeitos bactericidas das penicilinas. – As penicilinas não devem ser misturadas com aminoglicosídeos, seja na mesma seringa ou na mesma solução para injeção, visto que pode ocorrer inativação física da droga. • Interferências em Exames Laboratoriais: Determinações de glicose na urina, quando se utiliza teste com sulfato de cobre (Benedict ou de Fehling), podem dar falso-positivos. As provas de glicose por método enzimático não são afetadas.

Efeitos Colaterais de Longacilin

Foram relatados rash cutâneo, urticária, prurido, inchaço, edema de laringe, reações semelhantes à doença do soro (febre, calafrios, artralgia e prostração). Reações anafiláticas intensas têm sido relatadas. Como em outros tratamentos para a sífilis, casos de reação de Jarisch-Herxheimer foram relatados.

Posologia de Longacilin

O Longacilin deve ser administrado unicamente por via intramuscular profunda e preferencialmente no quadrante superior lateral da nádega que é o local mais adequado. Em lactentes e crianças pequenas, pode ser usada a face lateral da coxa. Quando forem necessárias doses repetidas, alternar o local da aplicação. Antes de aspirar a dose a ser injetada, agite vigorosamente o frasco para completa homogeneização do produto . A administração deve ser realizada imediatamente após a reconstituição com o diluente próprio, para evitar o entupimento da agulha. Antes de se injetar o Longacilin, deve-se puxar o êmbolo da seringa para certificar-se de que a agulha não atingiu algum vaso sangüíneo. A injeção deve ser aplicada de forma lenta e contínua para que a dor não seja insuportável nem haja entupimento da agulha. Recomenda-se as seguintes dosagens: Infecções estreptocócicas (grupo A) do trato respiratório superior e da pele: Crianças até 30 kg: uma injeção única ou a cada 3 dias de 300.000 UI, ou ainda uma injeção única ou a cada 5-6 dias, de 600.000 UI até completo controle da infecção. Crianças maiores de 30 kg: uma injeção única ou a cada 6 dias, de 900.000 UI até completo controle de infecção. Adultos: uma única injeção de 1.200.000 UI, ou a cada 7 dias, até controle total da infecção. – Sífilis primária: uma injeção de 2.400.000 UI. Após 5 dias repetir dose. – Sífilis secundária e latente recente: uma injeção inicial de 2.400.000 UI; uma segunda injeção de 2.400.000 UI após 4 dias, e uma terceira de 1.200.000 UI após idêntico prazo. – Sífilis latente tardia: quatro injeções de 2.400.000 UI, com 4 dias de intervalo entre elas. – Sífilis da gestante: uma injeção de 2.400.000 UI. – Sífilis congênita: a dose deve ser calculada entre 75.000 a 100.000 UI/kg em crianças com menos de 32 kg. Deverão ser administradas injeções com intervalos de 2 a 3 dias, até completar a dose total de 2.400.000 UI. – Bouba, bejel e pinta: uma injeção única de 1.200.000 UI. – Profilaxia do tétano: nos ferimentos suspeitos, além das medidas necessárias, recomenda-se uma injeção de 1.200.000 UI. Profilaxia da febre reumática e da glomerulonefrite: – Crianças: 600.000 a 900.000 UI. – Adultos: 900.000 a 1.200.000 UI. Na profilaxia da febre reumática as injeções devem ser dadas a cada 15 a 30 dias. O tratamento é aconselhado até os 25 anos de idade e outros por toda a vida.