Bula Dalacin c Cápsulas

Bula DecaDurabolin
abril 29, 2017
Bula Protamina
abril 29, 2017

Apresentação de Dalacin c Cápsulas

Dalacin® C 300 mg em embalagem contendo 16 cápsulas.
USO ADULTO
Composição:
Cada cápsula de 300 mg contém cloridrato de clindamicina equivalente a 300 mg de clindamicina base.
Excipientes: lactose, estearato de magnésio, amido de milho e talco.

Informações sobre Dalacin c Cápsulas

Dalacin® C (cloridrato de clindamicina) é um antibiótico semi-sintético produzido pela substituição do grupo 7(R)-hidroxi de um derivado da lincomicina, pelo grupo 7(S)-cloro. O cloridrato de lincomicina é o sal cloridrato hidratado da clindamicina.

Indicações de Dalacin c Cápsulas

Dalacin® C (cloridrato de clindamicina) é indicado no tratamento das infecções causadas por bactérias anaeróbicas susceptíveis, por cepas susceptíveis de bactérias aeróbias Grampositivas como estreptococos, estafilococos e pneumococos, tais como:
1) Infecções do trato respiratório superior, incluindo amidalite, faringite, sinusite, otite média.
2) Infecções do trato respiratório inferior, incluindo bronquite e pneumonia.
3) Infecções da pele e partes moles, incluindo acne, furúnculos, celulite, impetigo, abscessos e feridas infeccionadas. Para infecções específicas da pele e partes moles, como erisipela e panarício, parece lógico que essas condições responderiam muito bem à terapia com Dalacin® C.
4) Infecções ósseas e infecções das articulações, incluindo osteomielite aguda ou crônica e artrite séptica.
5) Infecções dentárias, incluindo abscessos periodontais, periodontite, gengivite e abscessos periapicais.
6) Infecções da pelve e do trato genital feminino, tais como endometrite, abscessos tuboovarianos não-gonocócicos, celulite pélvica, infecção vaginal pós-cirúrgica, salpingite e doença inflamatória pélvica (DIP), quando associado a um antibiótico apropriado de espectro Gram-negativo aeróbico. Em casos de cervicite por Chlamydia trachomatis, a monoterapia com clindamicina tem se mostrado eficaz na erradicação do organismo.

Contra-indicações de Dalacin c Cápsulas

Dalacin® C (cloridrato de clindamicina) é contra-indicado a pacientes que já apresentaram hipersensibilidade à clindamicina ou à lincomicina ou a qualquer componente da fórmula.

Interações medicamentosas de Dalacin c Cápsulas

Foi demonstrado antagonismo in vitro entre a clindamicina e a eritromicina. Devido ao possível significado clínico, os dois fármacos não devem ser administrados concomitantemente.
Estudos demonstraram que a clindamicina apresenta propriedades de bloqueio neuromuscular que podem intensificar a ação de outros fármacos com atividade semelhante. Portanto, Dalacin® C (cloridrato de clindamicina) cápsulas deve ser usado com cautela em pacientes sob terapia com tais agentes.

Efeitos Colaterais de Dalacin c Cápsulas

Sangue e sistema linfático: foram relatadas neutropenia transitória (leucopenia) e eosinofilia, agranulocitose e trombocitopenia. Entretanto, não foi estabelecida relação direta entre esses efeitos e a terapia com Dalacin® C (cloridrato de clindamicina).
Sistema imunológico: foram observados poucos casos de reações anafilactoides.
Sistema nervoso: disgeusia.
Gastrintestinais: dor abdominal, náusea, vômito, diarreia, esofagite e úlcera esofágica (vide “Advertências”).
Hepatobiliar: foram observadas anormalidades em testes de função hepática e icterícia durante o tratamento com Dalacin® C.
Pele e tecido subcutâneo: rash maculopapular e urticária foram observados durante a terapia. Erupções cutâneas morbiliformes generalizadas leves a moderadas foram as reações adversas mais frequentemente relatadas. Raros casos de eritema multiforme, alguns semelhantes à síndrome de Stevens-Johnson, foram associados à clindamicina.
Prurido, vaginite e raros casos de dermatite esfoliativa e vesículo-bolhosa também foram relatados. Raros casos de necrose tóxica epidérmica foram relatados no período pós-comercialização.

Posologia de Dalacin c Cápsulas

Cada cápsula de 300 mg de Dalacin® C (cloridrato de clindamicina) contém cloridrato de clindamicina equivalente a 300 mg de clindamicina base.
Uso em Adultos
A dose diária recomendada é de 600 – 1800 mg, dividida em 2, 3 ou 4 doses iguais.
A dose máxima recomendada é de 1800 mg por via oral (divididos em 2, 3 ou 4 doses diárias).
Uso em Idosos
Estudos farmacocinéticos com clindamicina mostraram que não há diferenças importantes entre pacientes jovens e idosos com a função hepática e renal normal (ajustado pela idade), após administração oral ou intravenosa. Portanto, o ajuste da dose não é necessário em pacientes idosos com a função hepática e renal normal (ajustado pela idade) (vide “Propriedades Farmacocinéticas”).
Uso em Pacientes com Insuficiência Renal e Hepática
Não é necessário o ajuste de dose em pacientes com insuficiência renal e hepática.
Doses em indicações específicas
Tratamento de infecções por estreptococo beta-hemolítico: em infecções por estreptococos beta-hemolíticos, o tratamento deverá continuar pelo menos durante dez dias.
Tratamento intra-hospitalar de doença inflamatória pélvica: em doença inflamatória pélvica (DIP), o tratamento deve ser iniciado com 900 mg de fosfato de clindamicina, por via intravenosa a cada 8 horas, concomitantemente a um antibiótico de espectro aeróbio Gramnegativo apropriado, como gentamicina 2,0 mg/kg, administrado por via IV, seguido de 1,5 mg/kg a cada 8 horas em pacientes com função renal normal. O tratamento IV deve ser continuado por pelo menos 4 dias e por pelo menos 48 horas após a recuperação da paciente.
Continua-se então o tratamento com Dalacin® C oral, administrando-se 450-600 mg a cada 6 horas até completar 10 – 14 dias de tratamento total.
Tratamento de amidalite e faringite agudas causadas por estreptococo: 300 mg (1 cápsula) 2 vezes ao dia, durante 10 dias.
Dose Omitida
Caso o paciente esqueça de administrar Dalacin® C no horário estabelecido, ele deve fazê-lo assim que lembrar. Entretanto, se já estiver perto do horário de administrar a próxima dose, o paciente deve desconsiderar a dose esquecida e utilizar a próxima. Neste caso, o paciente não deve utilizar a dose duplicada para compensar doses esquecidas.
O esquecimento da dose pode comprometer a eficácia do tratamento.