Culpa vs. Remorso

Como afetam o comportamento e a personalidade da genética?
agosto 8, 2017
Como acabar com o ronco a Noite?
setembro 19, 2017

Se bem que a “culpa” e o “remorso” têm a mesma definição no dicionário, em termos de união interna têm significados totalmente diferentes.
A razão para isto é que a culpa vem do eu, ferido e o remorso vem do adulto amoroso.
Culpa vs. Remorso

A culpa é o sentimento que você sente quando te julgas por ter feito algo que você acha que está mal.
Seu eu ferido está dizendo coisas como: “eu Não posso acreditar que voltei a emborracharme”. “Eu sou um pai tão ruim que parece que eu não posso controlar os meus filhos”. “Eu sei que eu devo visitar a minha mãe, eu realmente sou uma má filha.” “Eu prometi a mim mesmo que eu não ficaria com raiva, eu devo estar realmente louca por perder a cabeça outra vez”. “Não há desculpa para voltar para casa bêbado, de novo, eu sou apenas uma pessoa podre”.
Espera que o juzgarte a si mesmo e se sentir culpado, você possa ter o controle de não fazê-lo de novo. Claro, isso nunca funciona, já que o comportamento muda, quando sua intenção for alterado, não quando se está julgando a si mesmo.
O remorso, por outro lado, é o que você sente quando remorso profunda e genuinamente uma escolha que você fez, e sabe que nunca mais voltará a fazer essa escolha. Remorso vem do teu coração, enquanto que a culpa vem de sua mente. O remorso indica que uma mudança importante ocorreu dentro de você e mudou a sua intenção de controlar a aprendizagem.

Aqueles de vocês que são fãs de Harry Potter, sem dúvida, terão lido o último livro. Neste livro, Harry lhe diz que o mago do mal, Harry, você tem apenas uma chance de viver. Sua única chance é se sentir remorso por toda a gente que torturou e todos os assassinatos que cometeu. Não a culpa, o remorso. Só o remorso lhe restituída a sua alma. Só o remorso traz redenção.
No filme “Dead Man Walking”, a irmã Helen Prejean, interpretada por Susan Sarandon, estabelece uma relação especial com Matthew Poncelet, um prisioneiro no corredor da morte, vivido por Sean Penn. Ao final do filme, pouco antes de ser executado, Mateus é redimido porque sente verdadeiro remorso pelos crimes que havia cometido.
A culpa é sempre uma indicação de que o ego ferido está a cargo, tentando controlar o resultado das coisas com auto-julgamento. A culpa indica que nenhuma mudança de comportamento verdadeiro é iminente, porque não ocorreu nenhuma mudança de coração.
Quantas vezes você já viu pessoas para dizer “sinto muito”, só para continuar fazendo o mesmo uma e outra vez? “Lamento ter mentido”. “Lamento ter batido”. “Eu tive uma aventura”. “Sinto ter jogado com o nosso dinheiro”. “Lamento ter-me bêbada e feito o tolo”.
“Sinto muito …” alimentado pela culpa, não significa nada. É apenas uma manipulação para controlar o perdão. Ao igual que a confissão semanal, ao sacerdote, muitas vezes, abre a consciência para que a pessoa está agora livre para cometer o ato de não quer outra vez, tendo recebido o perdão desejado.
Uma pessoa incapaz de sentir remorso pode ser rotulada como um sociopata ou psicopata, agora chamado de transtorno de personalidade antissocial. Essa pessoa freqüentemente pode expressar a culpa como uma forma de controle, mas devido a sentir-se profundamente autorizado a fazer o que ele ou ela escolher, não sente remorso.
O remorso é um sentimento profundo e poderoso e cria uma mudança profunda e poderosa. O arrependimento do filho pródigo levou ao arrependimento e redenção. A culpa indica que estamos fora de curso em nosso pensamento, de alinhamento com o nosso verdadeiro Ser. O remorso nos realinha com a verdade de quem somos.