Bula Cafeina eCarisoprodol e Diclofenaco e Paracetamol

Bula Gripalcê
abril 28, 2017
Bula Semap
abril 28, 2017

Apresentação de Cafeina e Carisoprodol e Diclofenaco e Paracetamol

Comprimido
300 mg + 125 mg + 50 mg + 30 mg.

Indicações de Cafeina e Carisoprodol e Diclofenaco e Paracetamol

TANDRIFLAN é um medicamento indicado para o tratamento de reumatismo (conjunto de doenças que pode afetar as articulações, músculos e esqueleto, caracterizado por dor, restrição de movimento e eventual presença de sinais inflamatórios). Como exemplos mais comuns desta doença temos: lombalgia (dor da coluna lombar), osteoartrites, crise aguda de artrite reumatoide ou outras artropatias reumáticas, crise aguda de gota (doença caracterizada pela deposição de cristais de ácido úrico junto às articulações e em outros órgãos), estados inflamatórios agudos pós-traumáticos e pós-cirúrgicos.
TANDRIFLAN é também indicado como coadjuvante em processos inflamatórios graves decorrentes de quadros infecciosos.

Contra-indicações de Cafeina e Carisoprodol e Diclofenaco e Paracetamol

TANDRIFLAN é contraindicado nos casos de úlcera péptica em atividade; hipersensibilidade a quaisquer dos componentes de sua fórmula; discrasias sanguíneas; diáteses hemorrágicas (trombocitopenia, distúrbios da coagulação), porfiria; insuficiência cardíaca, hepática ou renal grave; hipertensão grave. É contraindicado em pacientes asmáticos nos quais são precipitados crises de asma, urticária ou rinite aguda pelos anti-inflamatórios não esteroidais.
TANDRIFLAN é contraindicado para pessoas que fazem uso de isocarboxazida e/ou de fenelzina e/ou tranilcipromina pelo risco de aumento da pressão arterial.

Interações medicamentosas de Cafeina e Carisoprodol e Diclofenaco e Paracetamol

Interações medicamentosas relacionadas ao diclofenaco Interação medicamento-medicamento:
Gravidade maior
Efeito da interação: aumento do risco de sangramento.
Medicamentos: ardeparina, clovoxamina, dalteparina, desirudina, enoxaparina, escitalopram, famoxetina, flesinoxano, fluoxetina, fluvoxamina, nadroparina, nefazodona, parnaparina, paroxetina, pentoxifilina, reviparina, sertralina, tinzaparina, zimeldina.
Efeito da interação: toxicidade pelo metotrexato.
Medicamentos: metotrexato.
Efeito da interação: toxicidade pelo pemetrexede (mielossupressão, toxicidade renal e gastrintestinal).
Medicamentos: pemetrexede.
Efeito da interação: insuficiência renal aguda.
Medicamentos: tacrolimo.
Gravidade moderada
Efeito da interação: aumento das concentrações plasmáticas de diclofenaco.
Medicamentos: voriconazol.
Efeito da interação: aumento do risco de convulsões.
Medicamentos: levofloxacino, norfloxacino, ofloxacino.
Efeito da interação: aumento da concentração plasmática de ciprofloxacino.
Medicamentos: ciprofloxacino.
Efeito da interação: redução do efeito anti-hipertensivo.
Medicamentos: anti-hipertensivos da classe dos betabloqueadores (ex.: atenolol) e da classe dos inibidores da ECA (Ex.:captopril, enalapril).
Efeito da interação: aumento do risco de hipoglicemia.
Medicamentos: acetoexamida, clorpropamida, gliclazida, glimepirida, glipizida, gliquidona, gliburida, tolazamida, tolbutamida.
Efeito da interação: aumento do risco de desenvolvimento de lesões da mucosa gástrica.
Medicamento: desvenlafaxina, dicumarol, duloxetina, acenocumarol, anisindiona, citalopram, clopidogrel, eptifibatida, milnaciprana, fenindiona, femprocumona, ginkgo, prasugrel, venlafaxina, varfarina, ulmeira.
Efeito da interação: redução do efeito diurético, hipercalemia, possível nefrotoxicidade.
Medicamentos: amilorida, canrenoato, espironolactona, triantereno.
Efeito da interação: redução da eficácia diurética e anti-hipertensiva.
Medicamentos: clorotiazida, clortalidona, furosemida, hidroclorotiazida, indapamida.
Efeito da interação: redução do efeito anti-hipertensivo e aumento do risco de insuficiência renal.
Medicamentos: losartana, valsartana.
Efeito da interação: aumento do risco de toxicidade pela ciclosporina (disfunção renal, colestase, parestesias).
Medicamentos: ciclosporina.
Efeito da interação: toxicidade pelo lítio (fraqueza, tremor, sede excessiva, confusão).
Medicamentos: lítio.
Efeito da interação: aumento do risco de eventos adversos dos anti-inflamatórios não-hormonais.
Medicamentos: matricária.
Efeito da interação: aumento do risco de toxicidade pela digoxina (náuseas, vômitos, arritmias).
Medicamentos: digoxina.
Efeito da interação: diminuição da biodisponibilidade do diclofenaco.
Medicamentos: colestipol, colestiramina.
Gravidade menor
Efeito da interação: aumento do risco de hemorragia gastrintestinal e/ou antagonismo do efeito hipotensor.
Medicamentos: anlodipino, bepridil, diltiazem, felodipino, flunarizina, galopamil, isradipino, lacidipino, lidoflazina, manidipino, nicardipino, nifedipino, nilvadipino, nimodipino, nisoldipino, nitrendipinoo, pranidipina, verapamil.
Interação medicamento – exame laboratorial:
• Gravidade menor
Efeito da interação: teste de sangue oculto nas fezes falso-positivo.
Medicamentos: teste de sangue oculto nas fezes.
Interações medicamentosas relacionadas ao carisoprodol
Interação medicamento-medicamento:
• Gravidade maior
Efeito da interação: depressão respiratória.
Medicamentos: adinazolam, alprazolam, amobarbital, anileridina, aprobarbital, bromazepam, brotizolam, butalbital, cetazolam, clordiazepóxido, clorzoxazona, clobazam, clonazepam, clorazepato, codeína, dantroleno, diazepam, estazolam, etclorvinol, fenobarbital, fentanila, flunitrazepam, flurazepam, halazepam, hidrato de cloral, hidrocodona, hidromorfona, levorfanol, lorazepam, lormetazepam, medazepam, meperidina, mefenesina, mefobarbital, meprobamato, metaxalona, metocarbamol, metoexital, midazolam, morfina, nitrazepam, nordazepam, oxazepam, oxibato sódico, oxicodona, oximorfona, pentobarbital, prazepam, primidona, propoxifeno, quazepam, remifantanila, secobarbital, sufentanila, sulfato lipossomal de morfina, temazepam, tiopental, triazolam.
Efeito da interação: depressão do sistema nervoso central.
Medicamentos: Kava
Interações medicamentosas relacionadas à cafeína
Interação medicamento-medicamento:
Gravidade moderada
Efeito da interação: aumento das concentrações de cafeína e da estimulação do sistema nervoso central.
Medicamentos: ciprofloxacino, equinácea, enoxacino, grepafloxacino, norfloxacino, verapamil.
Efeito da interação: aumento do risco de toxicidade pela clozapina (sedação, convulsões, hipotensão)
Medicamento: clozapina
Efeito da interação: aumento da estimulação do sistema nervoso central.
Medicamento: desogestrel.
Efeito da interação: aumento das concentrações plasmáticas da teofilina.
Medicamento: teofilina.
Efeito da interação: aumento das concentrações no sangue de cafeína e toxicidade (ansiedade, irritabilidade, insônia, aumento da diurese).
Medicamentos: fenilpropanolamina, ácido pipemídico, terbinafina.
Gravidade menor
Efeito da interação: redução do efeito terapêutico do outro medicamento.
Medicamento: adenosina.
Efeito da interação: redução do efeito sedativo e ansiolítico do outro medicamento.
Medicamentos: adinasolam, alprazolam, bromazepam, brotizolam, clordiazepóxido, clobazam, clonazepam, clorazepato, diazepam, estazolam, flunitrazepam, flurazepam, halazepam, lorazepam, midazolam, nitrazepam, oxazepam, prazepam, quazepam, quetazolam, temazepam, triazolam.
Efeito da interação: aumento do risco de excitação cardiovascular e cerebral associado a altas concentrações de cafeína.
Medicamento: dissulfiram.
Efeito da interação: aumento do risco de eventos adversos relacionado à cafeína.
Medicamento: mexiletina.
Interação medicamento – exame laboratorial:
Gravidade menor
Efeito da interação: falsa redução dos níveis séricos de fenobarbital.
Exame laboratorial: dosagem do nível sérico de fenobarbital.
Interações medicamentosas relacionadas ao paracetamol Interação medicamento-medicamento:
Gravidade moderada
Efeito da interação: hepatotoxicidade pelo paracetamol, neutropenia.
Medicamento: zidovudina, carbamazepina, diflunisal, isoniazida.
Efeito da interação: aumento do risco de sangramento.
Medicamento: varfarina.
Efeito da interação: potencialização do efeito anticoagulante.
Medicamento: acenocumarol.
Efeito da interação: redução da eficácia do paracetamol e aumento do risco de hepatotoxicidade.
Medicamento: fenitoína.
Gravidade menor
Efeito da interação: toxicidade pelo cloranfenicol (vômitos, hipotensão, hipotermia).
Medicamento: cloranfenicol.
Interação medicamento-alimento:
Gravidade maior
Efeito da interação: aumento do risco de hepatotoxicidade.
Alimento: álcool.
Interação medicamento – exame laboratorial:
Gravidade moderada
Efeito da interação: falso aumento dos níveis séricos de ácido úrico.
Exame laboratorial: dosagem sérica de ácido úrico.
Gravidade menor
Efeito da interação: resultados falso-positivos do teste do ácido 5-hidroxindolacéticourinário.
Exame laboratorial: teste do ácido 5-hidroxindolacético urinário.

Efeitos Colaterais de Cafeina e Carisoprodol e Diclofenaco e Paracetamol

Reação muito comum (> 1/10): aumento das enzimas hepáticas.
Reações comuns (> 1/100 e Reações incomuns (> 1/1.000 e Reações raras (> 1/10.000 e
Outras reações observadas sem frequência conhecida:
Efeitos cardiovasculares: arritmia cardíaca, vasodilatação periférica (altas doses), infarto do miocárdio, angina, aumento do risco de eventos cardiovasculares, redução da perfusão esplâncnica (em neonatos prematuros), palpitações, taquiarritmia, alargamento do complexo QRS do eletrocardiograma (doses moderadas a altas), hipotensão ortostática, síncope.
Efeito dermatológicos: pustulose exantematosa generalizada aguda, dermatite de contato, dermatite liquenoide, dermatose bolhosa linear, necrose de pele, faceíte necrosante.
Efeitos metabólicos – endócrinos: acidose, hipoglicemia, hiperglicemia, distúrbios hidroeletrolíticos (hipocalemia, hipercalemia e hiponatremia), redução de testosterona circulante, aumento da estrona, aumento das globulinas carreadoras de hormônios sexuais, rabdomiólise, aumento da perda de massa óssea, hipotermia.
Efeitos hepato e gastrintestinais: aumento da atividade motora do cólon, cirrose hepática, fibrose hepática, hepatotoxicidade, doença inflamatória intestinal, ulceração colônica, constrição dos diafragmas intestinais, perda protéica, esofagite, proctite, enterocolite pseudomembranosa, melena, icterícia.
Efeitos genito-reprodutivos: doença fibrocística das mamas redução das taxas de concepção, aumento das taxas de gestações múltiplas (homens).
Efeitos hematológicos: coagulação intravascular disseminada, meta-hemoglobinemia, porfiria aguda intermitente.
Efeitos infecciosos: sepse.
Efeitos imunológicos: anafilaxia, reação de sensibilidade cruzada (meprobamato), reação de hiperssensibilidade imune (quadriplegia, tontura, ataxia, diplopia, confusão mental, desorientação, edema angioneurótico e choque anafilático).
Efeitos musculoesqueléticos: dorsalgia crônica, paralisia muscular, fasciculações, destruição acetabular.
Efeitos neurológicos: aumento da vigília, hemorragia cerebral, síndrome de abstinência, redução da capacidade cognitiva, alucinações, psicose, drogadição, amnésia, acidente vascular cerebral, encefalite, mioclonia, parestesia.
Efeitos oftalmológicos: retinopatia, infiltrado de córnea, visão borrada, conjuntivite.
Efeitos otorrinolaringológicos: alteração do timbre de voz.
Efeitos renais: insuficiência renal aguda, síndrome nefrótica, nefrotoxicidade, necrose papilar, cistite, disúria, hematúria, nefrite intersticial, oligúria, poliúria, proteinúria, angioedema.
Efeitos respiratórios: dispneia, hiperventilação, taquipneia, edema agudo de pulmões, pneumonite.
Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA, disponível em http://www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm, ou para a Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Posologia de Cafeina e Carisoprodol e Diclofenaco e Paracetamol

Como regra geral, a dose mínima diária recomendada é de um comprimido a cada 12 horas e a dose máxima de um comprimido a cada 8 horas, a duração do tratamento deve ser a critério médico. Aconselha-se individualizar a posologia do TANDRIFLAN, adaptando o quadro clínico, bem como a idade do paciente às suas condições gerais. Deverão ser administradas as mais baixas doses eficazes e, sempre que possível, a duração do tratamento não deverá ultrapassar 10 dias.
Tratamentos mais prolongados requerem observações especiais (ver item “5. Advertências e precauções”).
Os comprimidos do TANDRIFLAN deverão ser ingeridos inteiros (sem mastigar), às refeições, com auxílio de líquido.
Este medicamento não deve ser partido ou mastigado.